Question Everything .is/listening
Written by Jorge Oliveira / 25.11.2009

Links são partilha de conhecimento

@gapinvoid

@gapinvoid

Foi várias vezes twittado durante o Congresso da APDC que “somos aquilo que partilhamos”, na sequência da apresentação de Charles Leadbeater, autor do livro We Think.

E não é a primeira vez que os links são apontados como uma nova forma de partilha de conhecimento, levando a que alguns pensadores os definam como uma nova forma de cultura.

Aquilo que partilho faz parte da minha identidade, do meu pensamento, das minhas ideias. Pode ser em concordância ou discordância, mas será algo que de alguma forma me “afectou”. Por esta razão não partilhamos tudo, porque temos espaços reservados da nossa vida e da nossa identidade que não desejamos abrir totalmente ao mundo.

Lembro-me que no advento da internet a grande loucura era o hipertexto e o  hiperlink. Podíamos começar a navegar por uma página e acabar 50 sites depois completamente perdidos, já sem saber muito bem como lá tínhamos chegado.

Mas tudo isso era e é, uma forma de conhecimento em rede. Uma coisa leva à outra, complementando e constroindo esse conhecimento.

E este discurso todo é apenas uma breve introdução à pergunta: “quanto custa”, num site noticioso, fazer um link para o objecto da noticia, especialmente quando esse objecto está online?

O que é que fica em causa se esse link existir? Que eu vá a outros sites ver mais informação? Que faça uma pesquisa por mais informação e abandone o primeiro site? Tudo isso vai acontecer… exista ou não o link.

A diferença será outra. Se souber que os links existem, mais facilmente ponho esse site no meu top para futuras visitas. Não existindo links, vou por outros caminhos e não ponho esse site na lista de boas fontes. Perdem uma visita e uma possível referência. E aqui entramos em questões de notoriedade do tal site noticioso, mas sobre isso falamos depois.

Quando tanto se fala nas redes sociais e no seu potencial e no futuro, gostava que algumas coisas básicas, como links nas noticias, entre outras coisas, fossem a normalidade e não um caso raro.

Ideias, comentários ou possíveis respostas, estou por aqui ou por aqui.

Follow me!

Tópicos deste artigo