Question Everything .is/listening
Written by Jorge Oliveira / 04.03.2014

Publicidade em meio frame

Há uns anos atrás andei fascinado com a publicidade subliminar, com o que se poderia inserir em meio-frame, com a manipulação de imagens de forma tão subtil que o olho não as poderia ver, mas o cérebro sim.

E ao dia de hoje, dou por mim a pensar se não devíamos repensar a publicidade para caber em meio-frame, apenas meio-frame…

que aquilo que preciso de dizer, que precisa de agarrar o consumidor, dure apenas meio-frame, para que nessa fracção de tempo ele decida se o dedo fica parado ou se continua a carregar no botão de mudar de canal, no botão de andar 30 segundos para a frente ou fazer skip to video e evitar aquilo que já adivinha… aborrecimento.

solução aspirina? sim… e porque não?

Imaginem que estão a ver televisão… calma, vamos contextualizar…

são três da tarde e estão a ver a série que deu ontem à noite, no ecrã grande da sala… entra publicidade… dedo no gatilho e zap zap zap, de 30 em 30 segundos arrumo com o assunto. O que vi? Meia dúzia de frames, imagens paradas de cada um dos anúncios que passaram na altura (que passaram? e continuam a fazer sentido? não vamos desfocar…).

Outro “imaginem”… pegam no ecrã pequeno do sofá e acedem ao Youtube, também conhecido como o Vasco Granja do séc. XXI, e qual a primeira coisa que ensinam à criança? Quando aparecer outra coisa que não o teu desenho animado carregas aqui. E é vê-la toda contente a clicar em skip video.

se eu faço assim… porque não o resto do mundo?

Eu próprio clico desesperadamente no skip video e desespero sempre que essa funcionalidade não existe e sou obrigado a ver algo que não quero, na maior parte das vezes não me interessa, não tem utilidade alguma para mim e está totalmente fora de contexto… bastava meio-frame para perceber se o anúncio me interessa ou não, não preciso de ser torturado.

isto não são ideias para replicar

Agora imaginem que esta lógica se espalhava para outros meios… o jornal que vem com as páginas de notícias coladas e só se abrem se olhar fixamente para o anuncio durante 8 segundos? O sinal vermelho que só passa a verde depois de todos os condutores num raio de 10 metros olharem fixamente para o outdoor. O mupi que só se desviava do caminho do pedestre… acho que já perceberam.

um post Active Media

Resumindo, enquanto vivermos nestes tempos confusos, de modelos de negócio postos em causa, de públicos migrantes entre ecrãs diferentes e em mobilidade, enquanto tentamos desesperadamente encaixar o velho pressuposto da audiência cativa no novo mundo, enquanto não abordarmos a comunicação das marcas e dos produtos de outras formas (em entretenimento, em utilidade, em soft-sponsoring, em storytelling, em …) e enquanto não re-centrarmos o consumidor em audiência…

Podemos ao menos pensar em formas mais engraçadas de meter a publicidade nos meios? Meio-frame, é só o que peço.