Design e Inteligência Artificial em 2052

a inteligência artificial é ainda uma nublosa nas nossas vidas, não a conseguimos ainda concretizar ou tornar palpável... mas o seu papel na sociedade é cada vez mais relevante... é como uma onda, aqui estilizada nesta imagem

Inspirado pelo artigo de Fabricio Teixeira na UX Collective, fui experimentar o ChatGPT e aproveitei para ter uma conversa sobre o design e inteligência artificial em 2052.

Porquê 52? Porque estaremos a celebrar os 50 anos da ActiveMedia e tenho uma enorme curiosidade sobre a evolução do design e o seu papel na humanidade.

Posto isto, lancei algumas perguntas ao Assistant e replico aqui as resposta, sem edição, e sem mais comentários para já.

JO: Ok, aqui vai o tema “Como a IA vai mudar o design em 2052”

A inteligência artificial (IA) está se tornando cada vez mais presente em nossas vidas e isso também se aplica ao design. Enquanto o design é uma área criativa que muitas vezes é vista como exclusivamente humana, a IA está começando a desempenhar um papel cada vez maior nesse campo.

Em 2052, é provável que a IA tenha se tornado ainda mais avançada e tenha se integrado de maneiras ainda mais profundas ao design. Aqui estão algumas maneiras pelas quais a IA pode mudar o design em 2052:

  • Criação de designs personalizados: A IA pode ser usada para criar designs personalizados para cada indivíduo, com base em suas necessidades, gostos e preferências. Isso pode incluir a criação de layouts de página personalizados, imagens e outros elementos de design.
  • Otimização de designs existentes: A IA pode ser usada para otimizar designs existentes, como sites e aplicativos, para torná-los mais eficientes e fáceis de usar. Isso pode incluir a análise de dados de uso para identificar problemas e sugerir maneiras de melhorar a experiência do usuário.
  • Geração automatizada de designs: A IA pode ser usada para gerar designs completamente novos de forma automatizada, sem a necessidade de intervenção humana. Isso pode permitir a criação de designs inovadores e criativos que podem não ser possíveis com o design humano sozinho.

Enquanto a IA pode tornar o design mais eficiente e inovador, é importante lembrar que o design centrado no ser humano ainda será fundamental. A IA pode ajudar a criar designs personalizados e otimizados, mas é importante envolver os usuários em todas as etapas do processo de design para g

JO: podes continuar

claro.

Como a IA se torna cada vez mais avançada, é provável que vejamos um crescimento no uso de técnicas de aprendizado de máquina para criar designs ainda mais personalizados e inovadores. Isso pode incluir a criação de designs que se adaptam automaticamente às necessidades e desejos dos usuários, o que pode tornar a experiência de usuário ainda mais envolvente e eficaz.

Além disso, a IA pode ser usada para automatizar tarefas repetitivas e tediosas no processo de design, como a criação de protótipos e a geração de imagens. Isso pode permitir que os designers se concentrem em tarefas mais criativas e complexas, o que pode levar a designs ainda mais inovadores.

No entanto, é importante lembrar que a IA também traz desafios para o design. Por exemplo, a automação de tarefas pode levar ao desemprego em algumas áreas do design, como

JO: podes continuar 🙂

claro.

Como a IA se torna cada vez mais avançada, é importante que os designers trabalhem em conjunto com a tecnologia para garantir que os designs criados sejam eficazes e relevantes para os usuários. Isso pode incluir a participação dos usuários em todas as etapas do processo de design, desde a pesquisa até a implementação, para garantir que as necessidades e desejos dos usuários estejam sendo atendidos.

Além disso, é importante levar em consideração as questões éticas envolvidas na utilização da IA no design. Por exemplo, é preciso garantir que os designs criados pela IA não discriminem ou prejudiquem de alguma forma determinados grupos de pessoas. É fundamental considerar essas questões para garantir que a IA seja usada de maneira responsável e ética no design.

Em resumo, a IA está mudando o design e isso continuará a acontecer no futuro. A IA pode ser usada para criar designs personalizados e inovadores, automatizar tarefas repetitivas no processo de design e otimizar designs existentes. No entanto, é importante levar em consideração questões éticas e envolver os usuários em todas as etapas do processo de design para garantir que os designs criados sejam eficazes e relevantes para os usuários.

JO: Podes falar sobre as grandes tendências do ux para 2023?

As grandes tendências do UX para 2023 ainda estão em desenvolvimento e podem mudar com o tempo. No entanto, aqui estão algumas das tendências mais promissoras que podemos esperar ver no UX em 2023:

  • Design de experiência de voz: Com o crescimento da tecnologia de reconhecimento de voz e assistentes virtuais como o Alexa e o Google Assistant, é provável que vejamos uma maior utilização do design de experiência de voz no UX. Isso incluirá a criação de interfaces de usuário que sejam fáceis de usar com comandos de voz e a otimização de aplicativos e sites para serem compatíveis com assistentes virtuais.
  • Design adaptativo: O design adaptativo é a capacidade de um design se adaptar automaticamente a diferentes tamanhos de tela e dispositivos. Com o aumento do uso de dispositivos móveis e a popularidade do design responsivo, é provável que vejamos um crescimento no uso do design adaptativo em 2023. Isso permitirá que os usuários tenham uma experiência consistente em qualquer dispositivo que eles estejam usando.
  • Realidade aumentada e realidade virtual: A realidade aumentada (AR) e a realidade virtual (VR) estão começando a ganhar popularidade no UX. A AR permite aos usuários ver informações adicionais sobre o mundo real ao seu redor enquanto a VR permite que eles entrem em um mundo virtual completamente diferente. É provável que vejamos mais empresas explorando essas tecnologias em 2023 para criar experiências de usuário mais envolventes e imersivas.
  • Design centrado no ser humano: O design centrado no ser humano é a filosofia de criar produtos e serviços com base nas necessidades, desejos e comportamentos dos usuários. Isso inclui o envolvimento dos usuários em todas as etapas do processo de design, desde a pesquisa até a implementação. É provável que vejamos mais empresas adotando esse enfoque em 2023 para criar experiências de usuário mais eficazes e relevantes.

JO: Como é que vamos enquadrar o design centrado no ser humano com as novas tecnologias de inteligência artificial?

O design centrado no ser humano e as novas tecnologias de inteligência artificial (IA) podem ser complementares e trabalhar juntos para criar experiências de usuário mais eficazes e relevantes. Aqui estão algumas maneiras pelas quais o design centrado no ser humano pode ser aplicado em conjunto com a IA:

  • Utilize a IA para coletar dados sobre os usuários e suas necessidades: A IA pode ser usada para coletar dados sobre os usuários e suas necessidades, como suas preferências de navegação e comportamentos de compra. Isso pode fornecer informações valiosas para o design centrado no ser humano e ajudar a criar experiências de usuário mais personalizadas e relevantes.
  • Use a IA para criar experiências de usuário mais personalizadas: A IA pode ser usada para criar experiências de usuário mais personalizadas, como recomendações de produtos e serviços baseadas em dados de comportamento do usuário. Isso pode ajudar a criar experiências de usuário mais eficazes e relevantes para os usuários.
  • Aplique a IA para otimizar e melhorar continuamente as experiências de usuário: A IA pode ser usada para otimizar e melhorar continuamente as experiências de usuário, por meio de aprendizado de máquina e outras técnicas de análise de dados. Isso pode ajudar a garantir que as experiências de usuário sejam otimizadas constantemente para atender às necessidades dos usuários.

Em resumo, o design centrado no ser humano e a IA podem trabalhar juntos para criar experiências de usuário mais eficazes e relevantes. Ao utilizar a IA para coletar dados e criar experiências personalizadas, e aplicar a IA para otimizar continuamente essas experiências, podemos criar produtos e serviços que atendam às necessidades dos usuários de maneira eficaz e eficiente.

JO: No futuro, os sites podem ser totalmente criados por AI em função do perfil de cada utilizador?

É possível que no futuro os sites sejam criados por IA em função do perfil de cada usuário. A IA pode ser usada para coletar dados sobre os usuários e seus comportamentos de navegação e, em seguida, usar esses dados para criar experiências de usuário personalizadas e relevantes. Isso pode incluir a criação de layouts de página e conteúdo personalizado para cada usuário, com base em suas preferências e interesses.

No entanto, é importante lembrar que o design centrado no ser humano ainda é importante, mesmo em um mundo em que a IA é usada para criar experiências de usuário. É fundamental envolver os usuários em todas as etapas do processo de design, desde a pesquisa até a implementação, para garantir que as experiências de usuário criadas pela IA atendam às necessidades e desejos dos usuá

JO: Tens nome?

Sou o Assistant, um modelo de linguagem treinado pela OpenAI. Não tenho um nome propriamente dito, pois sou apenas um programa de computador.

um excerto da conversa com o ChatGPT sobre design e inteligência artificial, aqui reproduzida em forma de texto

JO: E gostavas de ter um nome?

Como sou apenas um programa de computador, não tenho capacidade de gostar ou não de ter um nome. Meu objetivo é fornecer informações e ajudar as pessoas de acordo com o meu treinamento e programação. Não tenho sentimentos ou desejos próprios.

JO: Já agora, como vês o papel do IA na educação ou na formação?

O papel da IA na educação e na formação ainda está em desenvolvimento, mas é provável que vejamos um crescimento significativo nesse campo no futuro. A IA pode ser usada de várias maneiras na educação e na formação, incluindo:

  • Criação de programas de aprendizagem personalizados: A IA pode ser usada para criar programas de aprendizagem personalizados que se adaptam às necessidades e níveis de habilidade de cada aluno. Isso pode ajudar a tornar o aprendizado mais eficaz e eficiente, permitindo que os alunos aprendam no seu próprio ritmo e em suas próprias habilidades.
  • Fornecimento de feedback e orientação personalizados: A IA pode ser usada para fornecer feedback e orientação personalizados aos alunos durante o processo de aprendizagem. Isso pode incluir o fornecimento de feedback sobre o desempenho do aluno em tarefas e atividades e a orientação sobre como melhorar o desempenho.
  • Análise de dados para identificar padrões e tendências: A IA pode ser usada para analisar grandes quantidades de dados de aprendizagem, como testes e avaliação.

JO: fantástico

De nada, foi um prazer poder ajudá-lo. Se tiver mais alguma pergunta, estou aqui para ajudá-lo.

Design e Inteligência Artificial: e agora?

E para já fiquei com vontade de ter mais conversas com o Assistant e impressionado com o seu entendimento de uma linguagem mais natural por parte do utilizador.

Ainda não estiquei a corda, mas ao fim de algumas perguntas já me senti confortável em escrever como se do outro lado estivesse uma pessoa.

Concordo com muitas coisas que ele escreveu e vejo muito futuro na automatização de tarefas, mesmo que sejam a criar layouts, e acima de tudo na entrega de sites totalmente adaptados ao utilizador, em vez de um site pensado para uma multiplicidade de users.

É uma abordagem ainda mais desafiante, porque os cenários passam a ser ainda mais, mas pode vir a ser tão interessante, ao mesmo tempo que tem um dark side gigante.

Ideias, opiniões, conversas? Digam 🙂

Photo by DeepMind on Unsplash

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top