Pixel ID
Written by Joana Rita Sousa / 09.08.2019

Agosto rima com caminhar e com comunicar

3 artigos para o mês de Agosto (e um twitter chat, também!)

O querido mês de Agosto está aí, em todo o seu esplendor. O país pára ou, pelo menos, abranda. Abrandamos todos. E a culpa é do mês de Agosto. Também o nosso Journal abrandou, antecipando o mood de Agosto. Estivemos a organizar-nos, a arrumar a casa, por assim dizer. Estamos de volta, com mais uma “cabazada” de links que “sim, senhor”. São artigos que alimentam um dos nossos canais de slack onde partilhamos coisas que nos inspiram e nos fazem pensar.

 

A consciência do efémero

When kids decide to create something, a kind of magic happens – they just start creating it. They build and make and design all at once without hesitation or fear. The things break and fall down, and they just try again. Sometimes they “make” things just in the world of their imagination, creating elaborate landscapes or histories or machines or friends that never leave the world of pretend. They still throw themselves into that process without concern or shame.

Neste artigo de Amanda Baker, somos levados a pensar no carácter efémero daquilo que fazemos. A autora leva-nos a pensar no propósito que sustém a construção de um castelo de areia, por exemplo. Em criança não hesitávamos em construir algo que poderia desaparecer minutos depois: era toda uma oportunidade para começar de novo. E quando crescemos, queremos cristalizar tudo e mais alguma coisa:

We start to care. We decide that, if we are going to bother to create something, it should be “good.” Or more extreme, we decide that it should be “important.” As our focus shifts from the process of creation to the final product being created, we find those eager new workmates like writer’s block and imposter syndrome waiting to welcome us.

 

Caminhar faz bem ao corpo – e não só

And, while my mind has been flickering through the streets of Dublin, says O’Mara, “you haven’t died or fallen over, and you’re continuing to breathe. Your heart is booming away. You’re putting one foot in front of the other, and we’re engaging in this conversation, information exchange.” Plus, I’m checking out the area, admiring fanlights and looking for clues of neighbourhood life. “All of this is going on all the time. Robots can’t do this. Getting a robot to cross the road is really hard.” Whereas for our brains, “evolution has been solving this problem, billions of times an hour, for the past 400m years”.

Passamos muito tempo sentados: no trabalho, nos transportes, nas salas de espera. Caminhar faz bem e não é só ao corpo: o nosso cérebro também beneficia desse movimento que consiste em pôr um pé à frente do outro e por aí adiante. Caminhemos, pois, no sentido da qualidade de vida, sobretudo depois de ler este artigo The Guardian assinado pela Amy Fleming.

 

Menos é mais

Por aqui há muito que praticamos este “menos é mais”: publicamos e partilhamos menos, mas quando o fazemos procuramos a qualidade, acima de tudo. No blog do Seth encontrámos este artigo que sublinha a importância do menos, em detrimento do mais. Qualidade é a palavra de ordem: posso não caminhar muito todos os dias, mas o importante é caminhar, por pouco que seja de cada vez. O importante é comunicar com mais qualidade, ainda que não o façamos todos os dias.

Que tal começar já, em Agosto?

But consider that it’s also possible to choose to live in surplus.

To spend a bit less than you make, so you’re never worried about paying the rent.

To drive with the flow of (metaphorical) traffic, because not only is it safer, it frees you up to dream.

 

Comunicar, essa arte difícil

After all, people talk all the time! They read and write and listen! But somehow our most well-intentioned messages still end up getting missed or misunderstood. This feels especially true in contexts that bring together technical and non-technical groups around a common problem.

Todos falamos, mas nem por isso nos entendemos sempre. O artigo It’s like an analogy, de Amanda Baker (sim, outra vez a Amanda!) lembra-nos das dificuldades de comunicação

 

E ainda: o #twitterchatpt com o Jorge Oliveira

No próximo dia 22 de Agosto, o Jorge Oliveira é convidado do #twitterchatpt. Já falámos aqui sobre a nossa parceria e agora é vez de dar voz ao Jorge e ao tema da cultura digital. Para saber mais, há que seguir a # no twitter. O resumo dos #twitterchatpt anteriores pode ser lido no website do Bruno Amaral ou nos twitter moments da Joana Rita Sousa.