Pixel ID
Written by Jorge Oliveira / 04.05.2020

Como fazer um site? Basta juntar uma equipa

Como fazer um site? A pergunta é recorrente e normalmente a resposta foca-se na plataforma ou na solução tecnológica. Em WordPress, com React, em Shopify, …

O que fica muitas vezes de fora é que, para fazer um site é preciso uma equipa e raramente o “homem dos 7 instrumentos” os vai tocar a todos da melhor forma.

E sem me perder em mais preâmbulos, vamos lá a descascar quem é esta equipa que deve estar envolvida na criação de qualquer site ou loja online.

O Dono do negócio

Também chamado de Cliente. O dono do negócio é o primeiro elemento da equipa. Conhece o negócio e o seu mercado, a operação, as regras, a concorrência, o que já se faz, o que é tendência no seu mercado, os resultados que já tem e o que pretende atingir.

Sem o cliente, qualquer construção ou ideia é vazia de significado.

O Utilizador

Não sendo um elemento formal da equipa, os utilizadores finais são a audiência do site e quem efectivamente tem que lhe reconhecer valor e utilidade. Se o site for construído ignorando estas audiências, será uma peça para o umbigo, não para a comunicação. Este utilizador, normalmente definido em forma de personas, deve estar na cabeça de todos os membros da equipa, do princípio do ao fim do projecto.

Os utilizadores são membros invisiveis, mas fundamentais.

O Business Designer

A pessoa que descodifica a linguagem do cliente e a converte em  directivas, funcionalidades, ideias, abordagens,… fáceis de entender pelos elementos seguintes. É o pivot na operação e que vai juntando as peças. A sua maior capacidade é ser o encoder/decoder das linguagens. Tem a obrigação de perceber determinados requisitos do cliente, por exemplo, o site tem que uma área de login para clientes porque há informação que só é válida para clientes.

Depois questiona essa informação, a sua validade, o efectivo uso pelos clientes e percebe se há melhor solução ou se o requisito faz mesmo sentido.

O Especialista em SEO

Porque vivemos na dependência das pesquisas e dos resultados dos motores de busca, convém analisar o site atual e qual o seu desempenho, o que pode ser melhorado ou tido em atenção no novo site, quais as tendências das pesquisas e fazer o benchmark com outros sites da área de negócio.

Perceber como vamos endereçar o site ao motor de pesquisa, é fundamental. Isso passa claro pelo cumprimento das regras definidas, especialmente pela Google, que é o principal motor de pesquisa. Sem nos esquecermos que atrás de cada pesquisa está uma pessoa… e não só, mas também.

O Copywriter

O Copywriter é o segundo designer a entrar em ação. Depois de receber as informações dos anteriores, é ele que começa a criar a estrutura do site em termos de títulos, áreas de conteúdo e dos textos para as várias páginas onde se apresenta a empresa, os serviços ou produtos.

É dele que também emanam coisas simples a que chamamos micro-copy, mas que de micro não tem nada. Os nomes que damos aos botões, aos menus, as frases que usamos nos formulários, todo o tom da comunicação e da relação que o site estabelece com a sua audiência, virá do trabalho do copywriter.

O Web Designer

E acrescentar também que nesta designação cabe o User Experience Design e o User Interface Design, mas vamos simplificar. O Web Designer é a pessoa que dá forma, cor e navegação e define a experiência visual do site.

Partindo da imagem da marca, das cores, tipografia, ilustrações, etc, é ele que finalmente dá corpo a tudo aquilo que os anteriores determinaram. Pode começar por trabalhar primeiro em esboços, designados por wireframes, e só depois começar a transformar os “cubos cinzentos” em beleza e funcionalidade. É também a pessoa que tem que estar mais a par das tendências do design.

O Vídeo, Motion-Graphics e Fotografia

Não são a mesma pessoa, serão duas ou três. Quando pensamos em conteúdos temos que pensar cada vez mais em imagens próprias, adequadas à marca e à sua realidade. Contratar um fotógrafo e/ou uma equipa de vídeo é fundamental. Quando a marca não tem ainda realidades que se mostrem, ou o negócio não é sexy para ser mostrado, então temos que apostar na animação em motion graphics… e é mais uma competência necessária à equipa.

O Web Developer

É o que escreve o html, o CSS, o JavaScript, que liga o site com a base de dados e o gestor de conteúdos. Do seu trabalho depende o bom desempenho do site, factor de extrema importância para uma boa experiência. Ninguém espera por um site lento, não responsivo, desactualizado ou inseguro. Normalmente qualquer uma destas coisas origina um abandono e essa é uma métrica que nem chega a aparecer no Google Analytics… quantos sairam do site antes mesmo do site se apresentar.

O “Finalizador”

Entre este e o Web Developer, devem existir pessoas responsáveis por testarem o site em vários sistemas operativos e browsers. É uma tarefa tremenda e felizmente já existem alguns serviços que nos ajudam a fazer esses testes. Valem o que valem, mas são uma ajuda. O “finalizador” é aquele que fica designado para no final dar os últimos ajustes no site, desde instalar os códigos do Google Analytics e Search Console, validar o SEO técnico, confirmar que não ficaram conteúdos por actualizar ou conteúdos de teste online.

Não precisa de ter nenhuma competência em especial, mas ser um especialista multi-tasker, que junta as últimas pontas entre os vários membros da equipa e o cliente.

Como fazer um site?

Agora já sabe, basta juntar uma equipa. Não é complicado, desde que se conjuguem as valências e as competências técnicas e humanas necessárias.

Se quer acrescentar algo, corrigir esta visão, discordar ou apenas dizer que leu… já sabe onde me encontro. 🙂

Só mais uma coisa…

via GIPHY

 

 

Photo by Hal Gatewood on Unsplash

Follow me!

Tópicos deste artigo